Jararaca pica policial penal, que morre após demora para tomar antídoto, no MT

Na segunda-feira, 25, a policial penal Luciene Pedroza Moreira Santos, 44, morreu após ter sido picada por uma cobra jararaca, enquanto recolhia roupas no quintal na segunda-feira, 20, no sítio da família na zona rural de Campo Verde, a 139 km de Cuiabá (MT). Ela foi enterrada em Quirinópolis (GO), cidade onde a família mora.

O hospital Municipal de Campo Verde para onde ela foi inicialmente socorrida não tinha o soro antiofídico, tratamento necessário para combater o veneno da serpente, de rápida ação no organismo humano, e ela precisou ser transferida para receber o antídoto. Porém, quando a vítima chegou ela já estava num estado avançado de comprometimento avançado nos rins e acabou por morrer 5 dias depois.

A policial penal teve que ser encaminhada para o Hospital Regional de Rondonópolis, distante 138 km da unidade de saúde e 218 km de Cuiabá. Os médicos que atenderam Luciene informaram que ela teve complicações renais por causa do veneno e precisaria de um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para fazer hemodiálise. O procedimento seria uma tentativa de urgência de limpar e filtrar o sangue da vítima, já que os rins não estariam mais funcionando apropriadamente.

O marido informou ao Sindspen-MT (Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso) que a policial penal entrou no hospital consciente e falando. No dia seguinte, porém, seu quadro de saúde se agravou. Os médicos identificaram um coágulo no cérebro. Luciene teve que passar por uma cirurgia para a remoção do acúmulo de sangue, mas ela acabou morrendo.

O Sindspen emitiu uma nota de pesar lamentando a morte da policial. Ela trabalhava na Colônia Penal Palmeiras. “Neste momento de imensa tristeza, desejamos a todos que compartilhavam de sua vivacidade, alegria e humildade nossos sinceros sentimentos de pesar”, diz trecho da nota.

Muitas cobras, muita terra, mas poucos locais com soro

O secretário-geral do Sindspen-MT disse que o estado de Mato Grosso tem uma dificuldade muito grande na aquisição de soro antiofídico. “Apesar de ser um estado de dimensão continental e dentro da floresta amazônica, infelizmente, nós não temos um laboratório ou unidade do Instituto Butantã aqui. Matéria-prima temos de sobra; tem muitas cobras aqui”, declarou.

“Tanto nós, servidores penitenciários, quanto os sitiantes e moradores de áreas rurais aqui do estado clamam por um laboratório do Butantã. A própria Luciene trabalhava em uma unidade agrícola, um centro de ressocialização, que fica distante de Cuiabá. E lá também não há esse tipo de soro para uma emergência, então quem trabalha nas zonas rurais está exposto”.

A secretaria disse ainda que há, em Mato Grosso, 409 frascos de soro antiofídico, sendo que a distribuição do insumo é realizada para as 16 Regionais de Saúde, entre as quais estão: Rondonópolis (Hospital Regional de Rondonópolis), que abrange o município de Campo Verde, e Cuiabá (Hospital Municipal de Cuiabá), que concentra as maiores quantidades de soro.

No Brasil, as picadas de jararaca (Bothrops jararaca) respondem por cerca de 90% do total de acidentes com humanos envolvendo serpentes.

O veneno da jararaca pode provocar lesões no local da picada, tais como hemorragia e necrose que podem levar, em casos mais graves, a amputações dos membros afetados.

O post Jararaca pica policial penal, que morre após demora para tomar antídoto, no MT apareceu primeiro em Jornal de Brasília.