Meninas Brazucas

Os Jogos Olímpicos da norte-americana Atlanta-1996, valeram ao Brasil a medalha de ouro da primeira disputa do vôlei na areia. Foram trazidas por Jacqueline Silva e Sandra Pires, que deixaram as também brazuquinhas Mônica Rodrigues e Adriana Samuel com a prata. Daquelas Olimpíadas, participaram 10.500 atletas, das quais 3.700, ou um terço, era mulher. Do Brasil, foram 220, com elas sendo 70.

Jacqueline e Sandra não só se douraram, mas jogaram mostrando a garra, a graça e a beleza morena da mulher brasileira. Ao acompanharem o ouro de Torben Grael e Marcelo Ferreira, na Classe Star, do iatismo, ofuscaram a prata e o bronze dos nadadores Gustavo Borges e Fernando Scherer, o Xuxa, bem como os bronzes dos judoca Aurélio Miguel e Henrique Fernandes. |Logo, as garotas valeram ouro, mesmo, naa Guerra dos Metais Olímpicos.

Foi a primeira vez, em 76 temporadas, que o Brasil levava duas medalhas de ouro em uma mesma Olimpíada. Com valor muito maior porque o nível técnico do vôlei na praia era, na época, altíssimo, em todo o planeta. “Não bastava querer vencer, era preciso saber vencer”, comentou Jacqueline. Ela e a Sandra viviam brigando e quase desfizeram a dupla ante dos Jogos. Mas assinaram um tratado de paz para garimpar o ouro de Atlanta.

Jaqueline Louise Cruz Silva nasceu, no Rio de Janeiro, em 13 de fevereiro de 1962. Começou a ser fera do vôlei nas quadras, aos 9 idade, como mirim do Flamengo, pelo qual sagrou-se pentacampeã carioca infantil (1973 a 1978). Em 1979, ajudou a trazer o bronze dos Jogos Panamericanos, de Porto Rico.

Jacqueline foi levantadora titular do Seleção Brasileira das Olimpíadas Moscou-1980 e de Los Angeles-1984, quando foi eleita a melhor levantadora desta última competição. Ainda durante a década-1980, atuou pela Europa (em 1987, em Modena, foi eleita a melhor estrangeira da temporada e, depois, ganhou o Saisomaggiore, o Oscar do vôlei) e os Estados Unidos, onde aderiu ao vôlei na praia, o beach volley – e foi considerada a melhor do país, que batizou-lhe por, Jackie Silva, a Rainha da Praia. Venceu vários torneios e chegou a Nº 1 do ranking mundial d modalidade. Foi pelo começo da década-1990, quando era considerada melhor jogadora de vôlei de praia do mundo (pelas adversárias), que ela formou parceria com Sandra Pires, junto com quem venceu a maioria dos torneios disputados no Brasil e nos Estados Unidos

Sandra Pires Tavares, também carioca, nascida em 16 de junho de 1973, jogou vôlei nas quadras e nas praias medindo 1m74cm. Começou aos 11 de idsde, no Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha, na Ilha do Governador, e chegou ao vôlei de quadra profissional aos 17. Defendeu o time do Rio Fort e, aos 19, mudou para a areia, para conquistar o ouro do primeiro Mundial de Vôlei de Praia-1997, nos Estados Unidos. No total, foi a três edições disputas olímpicas, trazendo, também, o bronze-2000.

Sandra teve a glória, também, de ser a porta-bandeira do Brasil em uma Olimpíada, a de Atlanta, em 1996.

De há muito jogava-se o vôlei pelas praias brasileiras do Rio de Janeiro. Mas só a partir da metade da década-1980 isso passou a ter conotação de esporte organizado, por meio de projeto das Confederação Brasileira de Voleibol, presidida por Carlos Arthur Nuzman, tirando o cunho só de lazer da atividade.

Já que estamos tratando de “deusas brasileiras das areias”, destaca-se que medalhas e mais medalhas passaram a ornamentar o pescoço delas. Em 1997, durante as disputas do primeiro Circuito Mundial, Shelda e Adriana Behar ganharam o primeiro ouro brasuca. As duas trouxeram, ainda, a prata dos Jogos Olímpicos da australiana Sidney-2000, enquanto Sandra Pires e Adriana Samuel ganharam bronze. Em Atenas-2004, novamente, Shelda e Adriana Behar voltara, olimpicamente, prateadas. Em 2009, Talita e Maria Elisa ficaram bronzeadas no Campeonato Mundial, e prateadas no Circuito Mundial-2009/2010.

Em 2010, Taiana e Vivian foram à Áustria e trouxeram a prata do Grande Slam do Circuito Mundial-2010. Larissa/Juliana faturaram o Circuito Mundial-2005/07/09/11 e o Mundial da italiana Roma-2011, além dos Pan-Americanos-2007 e 2011 – foram as primeiras glórias internacionais.

O post Meninas Brazucas apareceu primeiro em Jornal de Brasília.