GDF debate a intensificação do combate a incêndios e recuperação de nascentes

Por: Elisa Costa
[email protected]

A feira internacional AgroBrasília começou nessa terça-feira (17) e segue com uma programação importante até sábado (21). O evento, que acontece no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci, apresentou o projeto CITinova, promovido pela Secretaria de Meio Ambiente do DF (Sema) do Governo do Distrito Federal (GDF), que procura combater incêndios florestais e recuperar nascentes de Áreas de Proteção Permanente (APPs).

Coordenado por Nazaré Soares, o CITinova pretende contribuir com a ampliação das políticas ambientais voltadas à área rural, e assim, consolidar ações sustentáveis. Essa é uma iniciativa criada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com recursos do Global Environment Facility (GEF), que é colocada em prática pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). No DF, a execução está nas mãos da Sema, em parceria com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE).

“Os projetos desenvolvidos voltados à questão do clima, da água, da agrofloresta, mostram que agricultura e meio ambiente caminham de mãos dadas”, explicou o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho. Além disso, o projeto vai debater sobre a recarga hídrica e sobre a implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs) mecanizados em áreas rurais do Distrito Federal, com foco na implantação de uma agricultura de baixa emissão de carbono.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, o encontro é fundamental para discutir a garantia do suprimento de água e os benefícios da natureza, como também a prevenção da agricultura sustentável. “Esse é o objetivo que queremos alcançar no Distrito Federal”, acrescentou o secretário Sarney. Para isso, serão realizadas reuniões institucionais, exposições, exibições de vídeos e distribuição de material educativo.

Nessa quarta-feira (18), a pasta vai debater sobre o Sistema de Informações Ambientais (Sisdia) pela manhã. No período da noite, a Câmara do Fundo Distrital de Desenvolvimento Rural fará uma reunião técnica. A quinta-feira (19) será marcada pela reunião da Câmara Técnica de Mudança do Clima e a sexta-feira (20) pelo debate sobre o combate ao fogo no cerrado. No sábado (21), mais um debate sobre o Sisdia e a recuperação de nascentes, APPs e áreas de recarga. Para as crianças, uma animação com tema ambiental será transmitida na sexta (20) e no sábado (21).

O estande da Sema tem 200 metros quadrados e vai dividir espaço com a Secretaria de Agricultura (Seagri), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater-DF), Central de Abastecimento do DF (Ceasa-DF), Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e Grupamento de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF).

O evento tem o intuito geral de apresentar as tecnologias, sistemas e processos modernos do mercado agro, a fim de impulsionar a atividade agropecuária da região Centro-Oeste e facilitar o acesso de produtores a inovações e conhecimento técnico. “A ideia da AgroBrasília é ser bem democrática e acolher todos os públicos”, contou o presidente da feira, Ronaldo Triacca, que destacou a importância da atenção dada aos pequenos produtores.

Saiba Mais

O AgroBrasília é considerado o maior evento agropecuário do Planalto Central, e une produtores, empresas, pesquisadores, estudantes e profissionais da área que podem compartilhar e conhecer novos produtos, tecnologias e serviços. A feira abrange setores de máquinas, implementos agrícolas, insumos, veículos, biotecnologia, genética animal e vegetal, além de agricultura familiar, e instituições formadoras e de pesquisa na extensão rural.

A feira teve sua primeira edição em 2008 e é realizada pela Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (COOPA-DF). A última aconteceu no ano de 2019, e a dos dois anos seguintes foi cancelada em decorrência da pandemia. O parque tecnológico fica localizado a 35 quilômetros do centro da capital federal, no km 05 da BR-251, sentido Unaí-MG e a programação acontece de forma presencial e online.

A programação deste ano conta com palestras, fóruns e painéis que tratam de temas atuais como o uso de fertilizantes, controle biológico, solo e sustentabilidade, plantio de uva e produção de vinho, fruticultura, pecuária e mulheres atuantes no agro. “A nossa região teve, por mais um ano, uma excelente safra. As commodities estão com bom preço, fatos que nos fazem acreditar que os produtores e o setor estão capitalizados e ávidos para fazer negócios e adquirir novos conhecimentos”, destacou o presidente Ronaldo Triacca.

Além dos temas abordados pelo CITinova, diversos especialistas vão debater ao longo da semana sobre o cultivo de milho e canola, alternativas para a correção e adubação de bioinsumos, pesquisas de mercado, febre aftosa e estratégias para confinamento. Aproximadamente 30 empresas vão expor produtos e serviços pecuários, que envolvem a bovinocultura, suinocultura, avicultura, ovinocultura e criação de cavalos de raça.

Em 2022, a feira terá cerca de 500 expositores e a estimativa de público no parque é de 18 mil pessoas. “A expectativa é bater o recorde de negócios, que podem chegar ao volume de R$3 bilhões”, explicou Triacca. A edição promove também um desafio de soluções para o controle biológico de pragas e doenças em lavouras, chamado InovaAgroBrasília. Sete startups e equipes foram selecionadas para a etapa final, que acontecerá virtualmente no dia 21 de maio.

O post GDF debate a intensificação do combate a incêndios e recuperação de nascentes apareceu primeiro em Jornal de Brasília.