Presidente do PMB abocanha 30% do fundo eleitoral para sua campanha

FÁBIO ZANINI
SÃO PAULO, SP

Fundadora e presidente nacional do PMB, Sued Haidar recebeu até agora 30% do fundo eleitoral distribuído pelo partido para candidaturas pelo país, bem à frente de outros nomes da legenda.

Ele disputa o Senado do Rio de Janeiro, e obteve menos de 1% das intenções de voto, segundo a última pesquisa Datafolha.

Foram até agora R$ 815 mil repassados do fundo para a campanha de Sued, que, como presidente, controla essas verbas. É o único recurso que ela declarou até agora à Justiça Eleitoral.

Nomes mais conhecidos do PMB, como o ex-governador do Rio Wilson Witzel, que busca voltar ao cargo, e o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, que tenta mandato de deputado federal, não receberam nada.

No total, o partido nanico repassou R$ 2,72 milhões a seus candidatos, quase a totalidade da sua cota do fundo eleitoral, de R$ 3,1 milhões.

O segundo colocado na distribuição, Ednaílson Rozenha, candidato a deputado estadual no Amazonas, teve direito a R$ 347 mil.

Já Paulo Tristão, que disputa o governo de Minas Gerais, ficou com R$ 100 mil do fundo eleitoral.

Legenda de direita, o PMB surgiu como Partido da Mulher Brasileira, mas mudou de nome para tentar aumentar seu apelo eleitoral.

Por um breve período chamou-se de Brasil 35, mas o nome foi vetado pela Justiça Eleitoral. Atualmente a sigla se apresenta como Por Mais Brasil.

Procurada pelo Painel por telefone e mensagem, Sued Haidar não deu retorno.

O post Presidente do PMB abocanha 30% do fundo eleitoral para sua campanha apareceu primeiro em Jornal de Brasília.